domingo, 14 de julho de 2019

A Genealogia dos Municípios Gaúchos


A Genealogia dos
Municípios Gaúchos

Autoria de
Diego de Leão Pufal

[dúvidas, acréscimos e correções, escreva para
diegopufal@gmail.com]

[Esta publicação pode ser utilizada pelo(a) interessado(a),
desde que citada a fonte]

[publicado em 14/07/2019]


Uma pesquisa genealógica deve se valer de vários elementos e de outras ciências, especialmente para tornar o estudo mais atraente e rico em detalhes. Foi-se o tempo em que a genealogia ficava restrita a nomes e datas, como se fosse uma lista telefônica, tornando-se necessário que se contextualize os indivíduos no tempo e no espaço, sempre que possível.

Em razão disso, cada vez mais se faz oportuno buscar, além dos registros de nascimento, casamento e óbito, tanto civis, como eclesiásticos, outras fontes de pesquisas. Há uma variedade de fundos documentais que pode ajudar, desde processos judiciais (inventários, por exemplo), até mesmo consulta em cemitérios, acervos de hospitais, jornais, etc.

Interessante também ter conhecimento, para facilitar as buscas, da origem de cada município, ou seja, de qual “município-mãe” determinado local se originou. Essa genealogia dos municípios é mais importante do que parece, considerando que antes de uma emancipação, os registros primeiros eram realizados na sede respectiva.

A emancipação de determinado município, porém, não faz nascer do zero os registros, até mesmo porque tal processo pressupõe que o pretenso ente emancipando tenha condições de, sozinho, conseguir se manter em seus vários aspectos. Logo, a área emancipanda, de regra, conta(va) com cartório, igreja, economia própria, além de outros requisitos.

Por isso que, invariavelmente os subdistritos já contavam com cartório de registro civil antes de se tornarem município. Mas antes disto, onde eram registrados os nascimentos, casamentos e óbitos? Este questionamento demonstra a importância da genealogia dos municípios. É que, sabendo de qual município o outro se originou, devemos nos recorrer aos assentos daquele e assim sucessivamente.

A título de exemplo, temos que o então distrito de Alfredo Chaves (hoje Veranópolis) era atrelado administrativa e politicamente ao município de Lagoa Vermelha que, por sua vez, se desmembrou de Santo Antônio da Patrulha. Antes da existência dos registros de Lagoa Vermelha, devemos nos reportar àqueles de Santo Antônio da Patrulha.

Em 2018, a Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão Pública do Rio Grande do Sul lançou a obra Genealogia dos Municípios do Rio Grande do Sul, com mapas das várias emancipações e quadro da criação dos atuais 497 municípios do Rio Grande do Sul, que auxilia e muito no estudo da história e da genealogia.

A capa do livro.

Aos que tiverem interesse, pode-se consultar este livro de forma on line, no endereço https://issuu.com/spggrs/docs/spgg_genealogia.

quarta-feira, 22 de maio de 2019

A família LAUREANO


A família LAUREANO

Autoria de
Diego de Leão Pufal

[dúvidas, acréscimos e correções, escreva para
diegopufal@gmail.com]

[Esta publicação pode ser utilizada pelo(a) interessado(a), desde que citada a fonte: PUFAL, Diego de Leão. A família LAUREANO, in blog Antigualhas, histórias e genealogia, disponível em http://pufal.blogspot.com.br/]

[publicado em 22/05/2019]

***
A família LAUREANO ou LAURIANO, de minha bisavó materna, CELINA LAUREANO DA SILVA (Celina Laureano Brasil, de casada), tem origem no nome próprio Lauriano, embora sua raiz seja açoriana, da ilha do Faial.
A exemplo desta família da qual descendo, existem outros Laure(i)anos, especialmente em Santa Catarina, em princípio sem qualquer relação com a minha, mas igualmente originária de nome próprio.
Dos Açores, FRANCISCO DA SILVEIRA, nascido em meados do ano de 1700 na freguesia de Pedro Miguel, na ilha do Faial, filho de Pascoal da Silveira e Maria Luís, emigrou em fins da década de 1740 para Santa Catarina, com sua esposa e filhos, radicando-se em Florianópolis, na Lagoa da Conceição.
Em princípio, a família chegou assim constituída:
·        Francisco Silveira, que tinha a profissão de barbeiro;
·        Antônia Clara, sua esposa, nascida em 1702 na freguesia de São Bartolomeu da ilha Terceira;
·        Bento Francisco, filho, nascido em 1737, na freguesia de N. Sra. da Conceição, ilha Terceira, e
·        Leonardo José, filho, nascido em 1729, na freguesia de N. Sra. da Conceição, ilha Terceira.
O núcleo familiar permaneceu na Lagoa da Conceição, onde o filho Leonardo casou em meados de 1758 com a também açoriana Maria Antônia, nascida em 1732 na freguesia da Vila da Praia, na Ilha Terceira, filha de João Mendes e Maria dos Anjos. Do casamento de Leonardo e Maria houve, ao menos, seis filhos, dentre eles:
LAURIANO JOSÉ DA SILVA, batizado a 19/2/1769 na Lagoa da Conceição, em Florianópolis/SC, que migrou para o Rio Grande do Sul, casando-se a 14/1/1794 em Cachoeira do Sul com Josefa Maria de Jesus, nascida entre 1771/1773 em Sorocaba/SP, filha de José Mariano de Salles ou José Álvares Mariano e Maria Vaz de Oliveira, cuja família pode ser conferida neste blog: Famílias Portuguesas nas Missões: os MARIANO DE SALLES, disponível em: http://pufal.blogspot.com/2014/03/familias-portuguesas-nas-missoes-os.html.
Conforme anotou o amigo e historiador Paulo Xavier, in Estancieiros Criadores de Mulas, Correio do Povo, 24.06.1977, Lauriano José foi um dos primeiros posseiros nos campos do Cacequi, cuja sesmaria foi-lhe concedida no ano de 1802. O casal teve, ao menos, 9 filhos, dando origem à família LAUREANO DA SILVA, de São Gabriel/RS:
1-1 Maria Antônia dos Anjos, n. 28/5/1796, b. 15/6, Cachoeira do Sul, onde casou a 3/1/1813 com Manuel de Souza, n. Sorocaba/SP, filho de Manuel de Souza e Ana de Siqueira.
1-2 Ana da Silva, n. cerca 1797 em Cachoeira do Sul e já fal. em 1829, deixando uma filha cujo nome era ignorado quando do inventário de seu avô materno.
1-3 Maria Joaquina dos Anjos/Silva, n. 5/5/1803, b. 1º/6, Caçapava do Sul/RS. Casou (I) a 20/1/1822 em São Gabriel com Bernardino/Bernardo Nunes da Silva, n. Encruzilhada do Sul, filho natural de Caetano Nunes da Silva e Joana Maria de Jesus. Casou (II) a 9/9/1846 em São Gabriel com Gaspar Vicente Rodrigues, n. Rio Pardo, filho de Albino/Galdino Vicente Rodrigues ou Santos Rodrigues e Eleodora Maria de Siqueira ou Teodora Maria Joaquina Xavier. Com geração do primeiro casamento.
1-4 Joaquina Maria da Silva ou Joaquina Lauriano da Silva, n. Santa Maria, b. 26/7/1805, Cachoeira do Sul. Casou a 12/2/1822 em São Gabriel com Antônio Rodrigues de Oliveira, n. Rio Pardo/RS ou Montevidéu, Uruguai, filho natural de Vicente Ferreira ou José Francisco do Rosário e de Maria Rodrigues da Silva. Pais de Manuel, Francisca, Eufrásia, Jesuína e Bernardino Nunes de Oliveira, nascidos em São Gabriel.
1-5 Francisca Lauriano da Silva ou Francisca Maria da Silva, n. Cachoeira do Sul. Casou com Joaquin Lino Soares, n. Sé de Mariana/MG e já fal. em 05/1852, filho de Manuel Rodrigues Nogueira (n. Lagoa da Gouveia, Mariana/MG) e de Maria Soares Louzada (n. Rezende/MG). Pais, ao menos, de: Bernarda ou Bernardina Cândida da Silva (c/c Ciríaco Adriano dos Santos Molina, uruguaio) e de Manuel.
1-6 José Lauriano da Silva, n. 14/10/1809, b. 21/01/1810, Rio Pardo e fal. 9/6/1865 em São Gabriel, onde foi criador e patriarca da grande família “Lauriano da Silva” do mesmo município. José possuía terras nas pontas do Cacequi, onde residia, deixando ao falecer uma parte de campo com mais de meia légua, com rancho de moradia coberto de capim com mangueiras, curral, cozinha e mais benfeitorias, além de sete escravos, 1.544 reses de criar xucras, 540 reses mansas, 226 ovelhas, 200 éguas, 114 novilhos, 64 cavalos mansos, 12 bois mansos, 10 potros, 2 mulas mansas, além de outros objetos de casa. Casou (I) a 10/7/1830 em São Gabriel com Maria Francisca Alves, n. 1º/10/1809, b. 3/12/1809, Caçapava do Sul e fal. 15/11/1862 em São Gabriel, filha de João Machado Alves e Isabel Francisca de Bittencourt, n.p. Manuel Machado Álvares e Apolônia Maria de Jesus, e n.m. Mateus Teixeira Fagundes e Francisca Maria de Bittencourt. Casou (II) a 17/9/1864 em São Gabriel com Engrácia Nunes, n. 1835, Encruzilhada do Sul e fal. 16/8/1902 em São Gabriel, filha de Sebastião Vicente Rodrigues e Cipriana Maria Garcia. Houve 6 filhos do primeiro casamento e 1 do segundo.
1-7 Manuel Joaquim da Silva, n. 23/7/1811, b. 14/9/1818, Santa Maria/RS.
1-8 Joaquim Lauriano da Silva, n. Santa Maria. Casou a 17/5/1831 em São Gabriel com Maria Joaquina Pedroso, n. Santa Maria ou São Gabriel, filha de Antônio de Pádua Leite e Damásia Maria de Miranda ou Damásia Joaquina Pedroso, citados neste blog (vide: http://pufal.blogspot.com.br/search/label/fam%C3%ADlia%20Pedroso). Talvez seja o mesmo Joaquim Lauriano da Silva que teve o filho Sebastião Lauriano da Silva com Bernarda Maria.
1-9 Esméria da Silva, n. Cachoeira do Sul. Teve com Manuel Caetano de Almeida, n. Sorocaba/SP, filho de Tomé de Almeida e Joana de Almeida, a filha Ana, n. 9/9/1822, b. 20/10, São Gabriel.
***
FONTES DE PESQUISA:
- Arquivo da Cúria de Bagé/RS: livros de batismos, casamentos e óbitos de São Gabriel.
- Arquivo da Cúria de Cachoeira do Sul /RS: livros de batismos e casamentos de Cachoeira do Sul.
- Arquivo da Cúria de Santa Maria/RS: livros de batismos, casamentos e óbitos de Santa Maria.
-  Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul (APERS): inventários; Registro Paroquial e talões do Registro Civil de Santa Maria, São Gabriel, São Pedro do Sul.
- Brasil, Rio Grande do Sul, Registros da Igreja Católica, images, FamilySearch (https://familysearch.org/): livros de batismos de Florianópolis (Lagoa da Conceição)/SC.
XAVIER, Paulo. Estancieiros Criadores de Mulas. Artigo publicado no jornal Correio do Povo, 24.06.1977.

terça-feira, 30 de abril de 2019

Famílias Portuguesas nas Missões: família de Gabriel Alves de Castro Machado


Família de Gabriel Alves de Castro Machado
Autoria de Zélce Mousquer
Edição e acréscimos de Diego de Leão Pufal

[Esta publicação pode ser utilizada pelo(a) interessado(a), desde que citada a fonte: MOUSQUER, Zélce e PUFAL, Diego de Leão. Famílias Portuguesas nas Missões: a família de Gabriel Alves de Castro Machado, in blog Antigualhas, histórias e genealogia, disponível em http://pufal.blogspot.com.br/]

[acréscimos, dúvidas e correções escreva para diegopufal@gmail.com]
[publicado em 30/04/2019]
[atualizado em 02/05/2019]

Na presente pesquisa foram utilizadas as seguintes abreviaturas/siglas:

“bat.” para “batizado(a)”;
“Bn.” para bisneto(a);
“c/c” para “casado(a) com”;
“F.” para filho(a);
“fal.” para “falecido(a)”.
“n.” para “nascido(a)”;
“N.” para neto(a);
***

         A presente postagem é uma homenagem aos tropeiros que povoaram a região missioneira e ao Dr. Garibaldi Carrera Machado, médico em Santo Ângelo/RS e descendente destes povoadores tropeiros.


José Álvares/Alves Patrício de Castro nascido por volta de 1808 na freguesia de São Cosme, Concelho Gondomar, no Porto, Portugal[1] e falecido aos 73 anos, a 22.8.1881, em Tibagi/PR. Casou em torno do ano de 1829 possivelmente em Sorocaba/SP[2] com Vicência Umbelina Gomes (ou Vicência Gomes Pinheiro/de Jesus), n. cerca de 1813 em Sorocaba/SP (também dada como nascida em São Paulo/SP e Castro/PR) e fal. aos 73 anos, a 10.3.1886 em Tibagi/PR, filha natural do capitão José Gomes Pinheiro (n. cerca de 1787 no RJ) e Antônia Caetana Machado Pinto (n. cerca de 1791).
José Alves e Vicência foram pais de 7 filhos: Flamínio, José, Zeferino, Gabriel, Maria Francisca, Antônio e Antônio (II).



 

Registro de óbito de José Alves P. de Castro
Fonte: registro civil de Tibagi/PR


óbito de Vicência Umbelina
Fonte: registro civil de Tibagi/PR
  
I. Flamínio Alves, bat. 11.4.1829, São Paulo/SP (igreja de N.ª Sª. da Assunção - Sé) é já falecido por ocasião do óbito dos pais.
II. Zeferino Alves de Castro Machado, n. 6.7.1830, bat. 16.7.1830 em Sorocaba (NS da Ponte) e fal. 1832 em Tibagi/PR. Casou a 31.1.1854 em Castro/PR com Carolina (Bráulia) do Espírito Santo Carneiro, n. 1836 em Castro/PR, filha de Tristão Rodrigues Carneiro Lobo e Francisca Leopoldina Carneiro. Zeferino e Carolina foram pais de 12 filhos. Os avós paternos[3] da Carolina foram Miguel Rodrigues de Araújo e Escolástica Carneiro. Seus avós maternos foram José Carneiro Lobo[4] e Gertrudes Maria do Espírito Santo.
III. José Alves P. de Castro, n. 25.9.1831, bat. 6.10.1831 em Sorocaba/SP.
IV. Gabriel Alves Machado ou Gabriel de Castro Machado, bat. 30.9.1833 em Sorocaba/SP. Casou com Virgínia Maria da Cruz, filha de Domingos José da Cruz[5] e Silva e Emerenciana Bernardina dos Santos. Os avós paternos de Virgínia foram Domingos José da Cruz e Silva e Lourença Maria da Conceição, ambos de Laguna/SC. 
V.  Maria Francisca Machado n. cerca de 1835/36, c/c Antônio da Cruz Machado, n. Lapa/PR e fal. Tibagi/PR, filho de Domingos José da Cruz e Silva e Emerenciana Bernardina dos Santos. Pais de 14 filhos.
VI. Antônio Alves Machado n. cerca de 1837/38.
VII. Antônio Alves de Castro Machado (citado no registro de óbito do pai) n. cerca de 1839/40.
***
Deter-nos-emos na descendência do filho IV, Gabriel c/c Virgínia, por terem deixando descendentes nas Missões.

IV. GABRIEL ALVES DE CASTRO MACHADO, n. 20.9.1833, bat. 30.9.1833 em Sorocaba/SP e fal. 19.11.1893, Santo Ângelo/RS. Casou com Virginia Maria da Cruz, n. por volta de 1840 talvez em Laguna/SC e fal. 1920 em Santo Ângelo/RS, filha de Domingos José da Cruz e Silva e Emerenciana Bernardina dos Santos, ambos de Laguna/SC. Os avós paternos de Virginia foram Constantino José da Silva[6] (n. Laguna, onde casou a 5/6/1815) e Maria Bernarda da Cruz[7] (n. Laguna, onde fal. a 29/5/1820).



Registro de batismo de Gabriel (1833), em Sorocaba/SP.
Gabriel e Virgínia foram pais de 8 filhos João, Francisca, José, Gabriel, Maria, Manoel, Alberto e Rosa, que seguem:
F1. João Alves Machado fal. Santo Ângelo/RS, c/c Maria Joana, filha de Cyríaco Santiago de Oliveira[8], que foi morto no episódio do Boi Preto em 5.4.1894, Palmeiras (município de Palmeira das Missões/RS) onde, em torno de 300 maragatos foram degolados, em represália ao episódio do Rio Negro[9] (Bagé).  Pais de 2 filhos localizados:
N1. Isabel Alves Machado n. 28.10.1891 no 1º distrito de Santo Ângelo/RS, onde casou aos 17 anos, em 1º.9.1908, com Francisco Barcellos dos Santos, então com 29 anos, filho de João Barcellos e Bertolina Barcellos dos Santos.
N2. Cyríaco Alves Machado casou em 1908 em Santo Ângelo/RS com Inácia Lopes Machado, filha de Bento Manoel Teixeira e Belmira Lopes Machado, moradores em Santo Ângelo/RS.
F2. Francisca Alves Machado, gerou a:
N1. Francisca
F3. Manoel Alves Machado c/c Clementina Antunes Fernandes, n. cerca de 1860, filha do tenente Antônio Manoel Fernandes[10] e Maria Joaquina Antunes/Almeida. Os avós maternos de Clementina foram Antônio José Antunes[11], (veja neste blog a família de Antônio José Antunes) natural de Sorocaba/SP e fal. aos 75 anos a 24.3.1867 em Santo Ângelo/RS, e de Senhorinha Maria de Almeida, natural de Curitiba/PR e fal. 23.12.1864 na Estância de Comanday, distrito de Santo Ângelo/RS. Pais de 2 filhos localizados:
N1. João Antunes Machado
N2. Aparício Antunes Machado casou aos 20 anos, a 11.1.1908 em Santo Ângelo/RS, com a prima Soledade Antunes Fernandes, então com 18 anos, filha de Onofre Antunes Fernandes[12], n. 20.8.1855, bat. 11.7.1856 na localidade denominada Santo Cristo[13], e Maria Antunes Cordeiro. Os avós paternos de Soledade foram o tenente Antônio Manoel Fernandes e Maria Joaquina Antunes/de Almeida. Sua avó materna foi Ana Antunes Cordeiro.
F4. José Alves Machado, que gerou a:
N1. Rosa Alves Machado
F5. Gabriel Alves Machado (Filho) n. 4.8.1871, bat. 25.11, Santo Ângelo/RS e fal. 11.7.1923. Casou aos 27 anos, a 3.10.1903 na Colônia Guarani (à época 5º distrito de São Luiz Gonzaga) com Isabel Rolim de Moura, n. 25.1.1880, filha de Rosa Rolim de Moura[14] e Manoel Felício ou Feliciano Martins (dúvida em relação a este nome). Moradores em Santo Ângelo/RS. Gabriel e Isabel foram pais de 7 filhos: José, Francisca, Pedro, Antônio, Francisco, Manoel e Jorge.
N1. José Alves Machado n. 22.11.1906, Santo Ângelo/RS, onde casou em 1926 com Cacilda Alves da Silva, ali n. 24.1.1906, filha de José Alves da Silva e Eusébia Rodrigues da Silva (moradores em Catuípe, então 2º distrito de Santo Ângelo/RS). Avós paternos de Cacilda foram: José Alves da Silva[15] e Águeda Maria de Jesus e, os maternos, Cândido Rodrigues da Silva e Joaquina Rodrigues de Almeida.
N2. Francisca Alves Machado n. 21.8.1905. Casou em 1924 em Santo Ângelo/RS com João Meles, n. 4.6.1901, Áustria, filho de José Meles e Teresa Meles.
Bn1. Gabriel Alves Machado Neto                         

N5. Francisco Machado n. 3.12.1911, Santo Ângelo/RS, onde casou em 1933, com Santa Gulles, n. 1.11.1912 no 1º distrito Santo Ângelo/RS, filha de Leopoldo Gulles n. 13.11.1865 e Maria Cândida Schiappi (?), n. 15.11.1860, moradores de Santo Ângelo/RS.
N7. Jorge Alves Machado n. cerca de 1918 em Santo Ângelo/RS.
F6. Alberto Gabriel Alves Machado (Nenê Gabriel) foi tropeiro, n. 7.8.1860. Casou em Santo Ângelo/RS com Ambrosina Antunes Fernandes, n. 7.5.1862, filha do tenente Antônio Manoel Fernandes e Maria Joaquina Antunes/Almeida. Os avós maternos de Ambrosina foram Antônio José Antunes, natural de Sorocaba/SP e de Senhorinha Maria de Almeida, natural de Curitiba/PR. Alberto Gabriel e Ambrosina migraram de Nonoaí/RS para Santo Ângelo/RS e foram pais de 6 filhos: Pedro, Gumercindo, Antônio, Paulo, Marcírio e Lindóia.
N1. Pedro Antunes Machado
N2. Gumercindo Antunes Machado n. 12.8.1896 no 3º distrito de Palmeira das Missões/RS. Casou em 1919, Santo Ângelo/RS, com Helena Santurião Costa, n. 13.3.1902, São Borja/RS, filha de Ayres Costa[17] (n.  21.11.1877 e morador em São Thomé, Argentina) e Maria Santurião Chaves (fal. 3.2.1910 em São Luiz Gonzaga/RS). Os avós maternos de Helena foram Eloy Santurião Chaves[18] (fal. 18.11.1903 em São Borja) e Maria Ximenes de Santurião.
N3. Antônio Machado
N4. Paulo Amarante Machado foi tropeiro, n. 10.1.1902, município de Palmeira das Missões/RS. Casou em 1927, no 2º distrito de Santo Ângelo/RS, com Geny Rolim de Moura, ali n. 9.5.1908, filha de Libindo Rolim de Moura e Anna Albrecht. Os avós paternos de Geny foram o tenente-coronel Vidal Rolim de Moura e Francelina Ribeiro dos Reis. Seus avós maternos foram João Jacob Albrecht e Carolina Luiza Sonnet (veja neste blog as famílias Corrêa Taborda, Rolim de Moura, de Antônio José Antunes e Sonnet).
N5. Marcírio Antunes Machado fal. aos 52 anos, em 21.12.1944. Casou aos 22 anos, em 1914, Santo Ângelo/RS com Universina Carrera, n. 13.2.1892, Santo Ângelo/RS, filha de Ramão Carrera, natural da Espanha, (chegou no Brasil entre 1875/1876 e fal. aos 78 anos a 29.6.1935 em Santo Ângelo/RS) e de Idalina Fernandes (n. 24.1.1871, Santo Ângelo/RS). Os avós paternos de Universina foram José Carrera e Delfina Fernandes. Seus avós maternos foram Vicente Manoel de Deus e Maria do Carmo Antunes Fernandes (veja família de Antônio José Antunes neste blog). Marcirio Antunes Machado foi um grande negociador de mulas na região de Santo Ângelo. Segundo Mello (2001, p. 27) Marcírio teria se estabelecido por volta de 1913 em Nonoaí, com seus pais e seus irmãos. À fl. 28, Mello escreveu:
(...) O começo da vida de Marcírio Antunes Machado, foi com 22 mulas que o sogro dele deu para ele. Levou as 22 mulas para São Paulo e vendeu em Itapetininga por um conto de réis. Quando voltou de São Paulo hipotecou a casa do sogro para o banco Pelotense. Com esse dinheiro foi para a fronteira comprar mulas. O primeiro negócio que fez foi em São Borja, com o Sr. Vicente Goulart, pai do Dr. João Goulart, na fazenda Mirage. Consegui comprar mais de 200 mulas e levou para vender em São Paulo. Cada ano levava tropa maior. Tomou conta do negócio de mula na região. Os irmãos e sobrinhos também foram tropeiros, principalmente Paulo Machado e Jorge Menezes.
Marcírio e Universina foram pais de 3 filhos: Garibaldi, Unírio e Neiva.
Bn1. Dr. Garibaldi Carrera Machado médico e líder político em Santo Ângelo/RS, n. 15.11.1916 e fal. em 16.1.1987, c/c Gertrudes Neumann Machado, filha de ... Neumann e Albertina. Foram pais de 4 filhos. Mello (2001, p. 30) refere que o Dr. Garibaldi foi um médico voltado aos mais necessitados e foi muito amigo do povo.
Bn2. Dep. Unírio Carrera Machado n. 25.6.1919 e fal. em Porto Alegre/RS a 10.7.1988. Foi juiz municipal, promotor público e Deputado Federal. C/c Ana Laura Kern, pais de 3 filhos.
Bn3. Neiva Carrera Machado, vereadora em Santo Ângelo/RS.
 N6. Lindóia Machado c/c Joaquim Menezes, gerando a:
Bn1. Jorge Menezes (tropeiro)
F7. Rosa Alves Machado n. cerca de 1867. Casou em Santo Ângelo/RS com Vasco Antunes Fernandes, n. em torno de 1853, RS, morador no Paraná (40 anos em 1892), filho de Antônio Manoel Fernandes Maria Joaquina Antunes/de Almeida (n. RS e fal. 28.1.1907, Santo Ângelo/RS) (veja neste blog as famílias Antunes Maciel, Antunes Ribas, Antunes Paz ou Paes nas Missões). Pais de:
N1. Vicente Antunes Machado
N2. Pedro Antunes Machado
N3. Teodoro Antunes Machado, n. 9.11.1890 em Santo Ângelo/RS.
N4. João Antunes Machado
N5. Gabriel Antunes Machado
N6. José Antunes Machado
N7. Amélia Antunes Machado
N8. Maria Antunes Machado
N9. Virgínia Antunes Fernandes n. 1.9.1892 em Santo Ângelo/RS.
F8. Maria Alves Machado, fal. aos 66 anos, a 7.4.1929 em Santo Ângelo/RS. C/c José Luiz da Motta. Maria deixou dois filhos havidos antes de seu casamento:
N1. Abílio Alves Machado, com 40 anos em 1929.
N2. Francisca Alves Machado c/c Germano Nofke?
F9. Antônia Alves Machado (não foi citada no registro de óbito materno).
***
FONTES:
- Arquivo da Cúria de Santo Ângelo/RS: livros de batismos, casamentos e óbitos de Santo Ângelo/RS, São Miguel/RS e Santa Tecla/RS.
- Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Registros paroquiais portugueses para genealogia. Disponíveis em https://tombo.pt/ - acesso em março/2019.
- Arquivo particular de Geraldo Martins.
- Arquivo Público do Estado do Rio Grande do Sul (APERS): inventários, testamentos, habilitações para casamentos e livros de notas dos tabelionatos de Santo Ângelo e região.
- Blog: Genealogia FBRepositário de Recursos e documentos com interesse para a genealogia. Disponível em http://genealogiafb.blogspot.com/
- DOMINGUES, Moacyr. Famílias lagunenses. Ed. do autor.
- MELLO, Antônio Gonçalves. O tropeiro Antônio Manoel e outras histórias. Edição do autor, 2001.
- Microfilmes do Family Search. Registros civis de Santo Ângelo/RS, São Miguel/RS, Palmeira das Missões/RS e Santa Tecla/RS e registros paroquiais de Tibagi/PR, Curitiba/PR, São José dos Pinhais/PR, São Paulo/SP e Sorocaba/SP.
- MOUSQUER, Zélce Darclé. Família Mousquer – Uma imigração francesa no sul do Brasil. Porto Alegre: EST, 2008.



NOTAS:
[1] Nos registros de batismos dos filhos de José e Vicência não são mencionados os avós das crianças, o que nos impediu de prosseguir a pesquisa em Portugal. Não obstante, considerando que sabemos o local de nascimento de José naquele país, buscamos os registros nas freguesias de São Cosme, do concelho de Gondomar e do concelho de Paredes de Coura e encontramos dois registros de batismos de dois José, um dos quais acreditamos se trate de José Alves Patrício de Castro. No entanto, sem podermos afirmar a hipótese, fazemos a ressalva. O primeiro José foi batizado a 4.6.1808 em São Cosme, Gondomar, sendo filho de Manuel Alves e Maria Pereira, neto paterno de José Alves e de Teresa de Castro e neto materno de José Pereira e Teresa de Almeida. O segundo José foi batizado a 17.5.1809 em São Cosme, Paredes de Coura, sendo filho de Manuel de Castro e Maria Pereira, neto paterno de Manuel de Castro e Helena Fernandes e neto materno de Manuel Pereira dos Santos e Ana de Jesus.  
[2] Não encontramos o registro de casamento em Sorocaba, talvez tenha sido nas proximidades ou em São Paulo/SP.
1. Antônio da Cruz Machado c/c Maria Francisca Machado.
2. Virgínia Maria da Cruz c/c Gabriel Alves Machado.
3. Amabília Teresa de Jesus c/c João Jacinto
[6] Constantino José da Silva era filho de André da Silva (n. São José/SC) e de Inocência Clara de Jesus (n. Florianópolis/SC), neto paterno de João Homem da Costa e Catarina Antônia, ambos da ilha Terceira, Açores, Portugal, e neto materno de Francisco Antônio Cardoso de Aguiar (n. Ilha Terceira) e de Joaquina Rosa de Jesus (n. Florianópolis/SC).
[7] Maria Bernarda era filha de Isidoro Álvares da Cruz e Aurélia Maria de Jesus.
[8] Cyríaco foi morto no episódio do Boi Preto em 5 de abril de 1894, município de Palmeira das Missões, onde, em torno de 300 maragatos foram degolados, em represália ao episódio do Rio Negro (Bagé).
[9] O referido episódio ocorreu a 28 de novembro de 1893, em Rio Negro (atual município de Hulha Negra/RS), onde cerca de 300 castilhistas foram degolados).
[10] Antônio Manoel Fernandes natural de São Paulo e fal. em 18.3.1864 em Santo Ângelo/RS, c/c Maria Joaquina Antunes/de Almeida, n. no RS e fal. 28.1.1907, Santo Ângelo/RS, foram pais:
1. Maria do Carmo Antunes Fernandes c/c Vicente Manoel de Deos (Deus), filho de Fernando Rodrigues da Motta e Maria Thereza de Jesus.
2. Ana Margarida Antunes Fernandes c/c Aniceto Correia da Silva, natural do Paraná, filho de Manoel Correia da Silva e Antônia Eufrásia de Oliveira e Silva.
3. Pedro Antunes Fernandes c/c Paula Maria dos Santos, filha de Cândido dos Santos Brum e Ana Maria de Almeida.
4. Domitildes Antunes Fernandes c/c o alferes João Antunes de Oliveira (possivelmente seu primo, filho de seu tio João Antônio Antunes casado com Ana Antunes de Oliveira).
5. Vasco Antunes Fernandes c/c Rosa Alves Machado, filha de Gabriel Alves de Castro Machado e Virginia Maria da Cruz.
6. Onofre Antunes Fernandes c/c Maria Antunes Cordeiro, filha de Ana Antunes Cordeiro.
7. Florinda Antunes Fernandes c/c João Rodrigues Tucunduva, filho de José Rodrigues Tucunduva e Francisca Moraes.
8. Ambrosina Antunes Fernandes c/c Alberto Alves Machado, filho de Gabriel Alves de Castro Machado e Virginia Maria da Cruz.
9. Clementina Antunes Fernandes c/c Manoel Alves Machado, filho de Gabriel Alves de Castro Machado e Virginia Maria da Cruz.
10. Frederico Antunes Fernandes.
1. Tte Cel João Antônio Antunes c/c Anna Antunes de Oliveira.      
2. Antônio Antunes Filho
3. Maria Joaquina Antunes Fernandes c/c Tte Antônio Manoel Fernandes.
4. Ana Brandina Stokler/Stoch casou em 2ª núpcias com Antônio Pereira Boeno Stoch.
5. Florinda Maria Antunes casou a 2.4.1853 em Cruz Alta/RS, com o alferes Jacinto José Coelho ou Antunes Antunes Coelho, n. Sorocaba/SP, filho de Joao Coelho e Maria Antunes de Jesus.
[12] Onofre Antunes Fernandes casou com Maria Antunes Cordeiro, filha de Ana Antunes Cordeiro (5 filhos) e com Alexandrina Antunes de Sousa, filha de Bento Antunes Borges e Florência Borges (5 filhos).
Ver neste blog a família Antunes Maciel, Antunes Ribas, Antunes Paz ou Paes nas Missões.
[13] Santo Cristo, a partir de 1932, passou à condição de distrito de Santo Ângelo/RS. Atualmente é município.
[14] Rosa teve os filhos naturais seguintes:
1. Paulino Rolim de Moura c/c Emília Antunes da Silva.
2. Isabel Rolim de Moura c/c Gabriel Alves Machado.
3. Leocádia Rolim de Moura c/c Manoel Alves de Oliveira.
4. Francisca Rolim de Moura c/c João Meles?
5. Vicentina Rolim de Moura c/c José Antônio de Souza.
6. Belarmina Rolim de Moura c/c Cristiano Dias Lamarque.
7. Fermina Rolim de Moura c/c João Antunes Victor.
[15] José e Águeda (falecida a 6.5.1896 em Santo Ângelo/RS) foram pais de:
1. Eliana Alves da Silva c/c João Ávila dos Santos.
2. Cipriana Alves da Silva c/c Demétrio Paulo de Góes/de Paula Góes, filho de Paulo Góes e Maria Góes ou Gomes.
3. Filadelfo Alves da Silva
4. Antônia Alves da Silva c/c Fabrício Corrêa da Silva, filho de Salvador Correia da Silva e Antônia Martins dos Santos.
5. José Alves da Silva Filho c/c Eusébia Rodrigues da Silva.
6. Pantaleão Alves da Silva c/c Eugênia Rodrigues de Moraes, filha de José Rodrigues de Moraes e Laurinda Maria de Anhaia.
7. Pedro Alves da Silva
8. Clemência Alves da Silva c/c Manoel Corrêa da Silva.
9. Marcelina Alves da Silva c/c Pedro Eleutério de Lima.
[16] José Antunes de Almeida Sobrinho e Jacinta foram pais:
1. Ana Soledade Antunes c/c Ernesto dos Santos Simas (?).                     
2. Maria Castorina Antunes c/c Luís Vieira Tobias.
3. Francelina Antunes da Dores/Gomes c/c Alfredo Domingues de Matos.
4. Francisca Antunes d’Almeida c/c Manoel João d’Ávila da Silva.
[17] Ayres Costa e Maria Santurião foram pais de 2 filhos até agora localizados:
1. Helena Santurião Costa c/c Gumercindo Antunes Machado.
2. Alcides Costa c/c Ordália Amaral Mousquer, filha de Luiz Rodrigues Mousquer Neto e Amália Ferrando Amaral.
[18] Eloy e Maria Ximenez foram pais de:
1. Barcila Santurião
2. Inez Santurião c/c Pedro Rodrigues.
3. Hortalina Santurião c/c Manoel Fidêncio Falcão.
4. Maria Senturião c/c Ayres Costa.
5. Lençurio (?) Amado Santurião.
6. Zulmira Santurião.
7. Ramão Santurião.